ARTIGO

A Terapia Ocupacional no tratamento do câncer de próstata

Atuação da CAP do COFFITO garante que profissões sejam enquadradas no anexo III do Simples sem nenhuma condicionante a cumprir

Larissa Nascimento Marques Terapeuta Ocupacional

 

 

No Brasil, o câncer de próstata é o quarto tipo de câncer mais comum entre ambos os sexos e o segundo mais incidente entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos, fazendo com que seja considerado um câncer da terceira idade. O aumento das taxas de incidência no país podem ter se dado devido ao aumento na expectativa de vida, pela evolução dos métodos diagnósticos e campanhas em longa escala do Ministério da Saúde. A detecção precoce é de fundamental importância para que se aumentem as possibilidades de cura, tendo em vista que o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas, por isto é necessário a realização de exames nas idades preconizadas, sendo o exame de toque retal e o exame do Antígeno Prostático Específico (PSA) os principais. Eles são recomendados aos homens entre 50 e 80 anos, podendo começar aos 45 anos em homens que possuem histórico familiar da doença. 

 

A carência de informação da população e os  valores socioculturais, que configuram os estereótipos de valores, crenças e gênero, como aqueles que colocam o homem na posição de inabaláveis e muitas vezes provedores de todos ao redor, que não adoecem ou demonstram fraquezas e consequentemente não precisam se importar com seu autocuidado, trazem dificuldades para as ações de cuidado em saúde, principalmente aquelas relacionadas á detecção precoce, tendo em vista que muitos homens acabam não aceitando realizar o exame do toque retal, que no imaginário é algo que vai contra a masculinidade, além de causar constrangimento e medo. Para mudar essa situação vê-se necessário realizar ações educativas em saúde, buscando oferecer um ambiente seguro e com bom acolhimento, esclarecer sobre o assunto, desmistificar os preconceitos e tabus relacionados aos exames, ao câncer de próstata e ao tratamento, favorecendo a melhora na atuação do homem nos cuidados com sua saúde, principalmente de modo preventivo.

 

O tratamento oncológico costuma ser de longa duração, tornando os indivíduos acometidos pelo câncer fragilizados e estes acabam muitas vezes adquirindo limitações funcionais temporárias ou definitivas, além de passarem por implicações sociais e emocionais que afetam de modo direto ou indireto diversos aspectos do domínio da Terapia Ocupacional, tendo sua independência para a realização das atividades do cotidiano e/ou significativas, rotina, papéis ocupacionais e autoestima modificadas, além de outros aspectos que interferem na sua qualidade de vida e melhora da saúde, podendo portanto apresentar diversas demandas específicas para o serviço de Terapia Ocupacional durante todo o percurso da doença.

 

A assistência do terapeuta ocupacional na Oncologia deve ocorrer em todas os níveis de atendimentos que envolvem a doença, desde a prevenção e promoção de saúde, destacando-se o seu papel na educação em saúde, até no processo de recuperação e manutenção das capacidades funcionais, na alta e mesmo na terminalidade, através dos cuidados paliativos. Este profissional faz parte da equipe multiprofissional e seu plano de tratamento é definido a partir das individualidades e peculiaridades de cada sujeito, sendo necessário identificar além do próprio processo de adoecimento,  suas condicões socioeconômicas e culturais, religião, situação e vínculo familiar e conjugal, educação, idade e sexo, que interferem diretamente no processo de saúde-doença e envolvimento nas ocupações.

 

 

 

 

 

 

 

Terapeuta Ocupacional

 

CREFITO-9/14592-TO

 

lnascimentom.to@gmail.com


Voltar
Portal Transparência
Boletim Informativo Cartilha de Controle Social Estágio Não Obrigatório De carona com o fiscal

AGENDA DE EVENTOS

MAIS EVENTOS >

O Crefito-9 é mero divulgador do conteúdo publicado aqui: não nos restando responsabilidade, compromisso ou parceria com as publicações.

ENQUETE

Como garantir valorização e dignidade profissional?

Mudanças da legislação

União da categoria

Evitar privatização do SUS

CAMPANHAS E SERVIÇOS DO COFFITO

Transparência Fale Conosco Ouvidoria
Copyright © 2012 CREFITO-9 - CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 9ª REGIÃO